quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

01


 As Missões Cupido são classificadas de acordo com sua importância. Essa importância é medida de acordo com a faixa etária humana. Amores infantis, missões de nível C. Amores adolescentes, missões de nível B. Amores adultos, missões de nível A. Há, porém, aquelas missões especiais, de nível E, que são os amores para a vida inteira.
Como você deve ter deduzido, um cupido iniciante começa com missões nível C e, a medida que é promovido, recebe missões de níveis acima. Não foi diferente com o 43. Sua primeira missão foi uma missão de nível C. Missão para a qual ele, definitivamente, não estava preparado.
Seus alvos eram dois colegas do terceiro ano do ensino fundamental. O garoto era gordinho, cabelos e olhos castanhos, nem alto nem baixo para seus nove anos de idade. A garota era magrela, cabelos claros, olhos claros, relativamente alta para seus também nove anos de idade. Ambos tinham um sorriso lindo.
43 tinha um bom plano. Colocou ambos na mesma sala de aula, assim, a convivência faria 90% de seu trabalho. Sim, claro, atração física é importante, mas ela acontece de duas maneiras distintas: à primeira vista, ou com a convivência. Quem nunca teve aquele amigo ou aquela amiga feia que depois de um tempo passou a ser 'beijável' e depois de mais algum tempo se tornou sua musa inspiradora? Sim, a convivência tem um poder impressionante. Com a convivência você passa a conhecer a pessoa, passa a se importar com a pessoa, passa a querer o bem dessa pessoa – e é aí que você é pego, é aí que o feioso fica bonito, é aí que o cupido age.
O dia estava fechado, cinza, com nuvens carregadas preenchendo todo o céu. Não era o dia mais proípício para seguir o plano, não aquele que o 43 traçou, mas ele não era exatamente o tipo de pessoa que sabia a hora de recuar, abortar uma missão e esperar as condições ideais. Não. Ele era muito ansioso.
Uma vez que a convivência tenha feito seu trabalho, o cupido precisa dar o toque final. Toque literalmente falando. Não, já falei, aquele papo de arco-e-flecha é pura baboseira. Em missões de nível C funciona assim: o cupido toca peito do rapaz que por sua vez precisa tocar a moça. Uma vez que tenham se tocado, a magia está feita, o casal está apaixonado.
A criançada estava na quadra poliesportiva fazendo aula de educação física. Jogavam um pega-pega diferente, onde a turma era dividida em dois grupos, o dos meninos e o das meninas. As meninas eram a 'polícia' e os meninos eram os 'ladrões'. O objetivo do grupo feminino era perseguir, prender e manter os meninos presos na área demarcada como prisão, e o objetivo masculino era manter-se livre da mulherada – sem saber, meninos e meninas praticavam aquilo que fariam para o resto da vida, dentro de um namoro ou de um casamento.
Como eu disse, apesar de tonto, 43 era um anjo inteligente. Tinha bons planos, mas tinha muito azar na execução dos mesmos. Antes de iniciar o procedimento, 43 analisou o perfil dos alvos e, com muita perspicácia, notou que seria mais fácil fazer com que a garota tocasse o garoto – oras, a ordem dos fatores não altera o produto, certo? Por isso mesmo o jogo de polícia e ladrão lhe parecia perfeito. Sendo assim, 43 se aproximou do garoto sem ser percebido, sem ao menos ser visto – anjos são vistos apenas quando querem – e o tocou no peito.
As meninas levavam vantagem no jogo, apenas 4 de 13 garotos estavam em liberdade. Mulheres, uma dica para vocês: unam-se. Os homens sempre se ajudam, até debaixo d'água! Você liga para qualquer amigo de seu marido e ele vai confirmar toda a história dos gnomos voadores que lhes abduziram por uma noite inteira. Sigam o exemplo dessas garotinhas, trabalhem em equipe, e seus homens ainda assim levarão vantagem, digo, e seus homens sempre estarão dentro de casa trocando a lâmpada, ou dizendo o quanto lhes amam.
O garoto era um dos que mantinham sua liberdade. Não por ser rápido, pois ele não era, mas justamente por ser uma presa fácil. As garotas, espertas, primeiro deram cabo das presas mais difíceis. Por estar livre, a obrigação segunda do garoto era libertar seus comparsas – sim, porque a primeira era continuar livre. Essas são as diretrizes do homem solteiro.
Ele não estava preocupado com a obrigação segunda, a primeira lhe era pesada demais. Pensava nisso quando notou que garoava, o que lhe deu um sopro de esperança. “Ótimo, o professor vai terminar o jogo por causa da chuva e nós vamos vencer!”. Foi quando seu sentido de proximidade lhe alertou que algo estava errado. Olhou a seu redor e viu que a garota, aquela mocinha meiga, doce, gentil, que sentava do seu lado todos os dias, lhe perseguia com uma expressão maníaco-obssessiva que aquela altura era novidade para ele, mas que ele notaria com o passar dos anos que é a definição de 'expressão facial feminina'.
“Cooooooorreeeeeeeeeeeeeeee!!!! “ gritou um de seus companheiros lá da prisão.
Quando deu impulso para seguir o conselho de seu amigo, o garoto sentiu seu mundo parar por um instante. Seu coração parou. Seus olhos se fixaram num único ponto. Sua vida inteira passou diante de seus olhos. Tudo o que percorrera até ali. Sem entender nada, ele foi pego por uma força muito mais forte que a sua. A força da gravidade. Sentiu-se suspenso no ar para logo sentir a dureza do chão.
Sem saber porque estava estatelado daquela forma no solo, o entendimento chegou com o desespero: olhou pra cima e viu que a garota que vinha em seu encalço não era capaz de parar por causa da quadra molhada, a mesma que lhe havia derrubado. Fechou os olhos e esperou pelo impacto que não demorou muito. O espetáculo de pernas e braços embolados voando por toda parte teria sido preocupante se não houvesse sido hilário – pelo menos era essa a opinião dos garotos da turma.
Sem dar-se conta dos próprios hematomas, a garota olhou nos olhos do garoto e perguntou:
  • Você tá bem? Se machucou muito?
Bem ou mal, a missão estava cumprida.

2 comentários:

  1. Às vezes os anjos tem o auxilio do acaso...
    De uma forma ou de outra os olhares se encontraram. Contato feito!
    Creio que muitas vezes os Anjos da classe C acompanham por uma vidas suas missões. Ou os Anjos transferem as missões? Existem casos que requerem muita atenção!

    Gostei!
    Luna

    ResponderExcluir
  2. Caraca, eu adorei. Faz tempo que não lia um texto tão bom. Quanta criatividade, senso de humor. Nossa, nossa, nossa. Eu ri bastante com a parte do gnomos voadores. Acho que o 43 veio aqui e me fez ficar apaixonada por esse blog. Onde está a barra de seguidores? Por favor, ative logo. Parabéns, você escreve muitíssimo bem.


    www.eraoutravezamor.blogspot.com

    ResponderExcluir